Soroterapia: como funciona?

Soroterapia: como funciona?

image

A soroterapia é uma técnica que tem como objetivo suplementar vitaminas, minerais, antioxidantes e aminoácidos por meio de aplicação direta na veia. Isso ocorre através de um soro, que também pode ser aplicado de forma intramuscular.
 

Muitas pessoas sofrem com a deficiência de uma série de substâncias no organismo, por isso, médicos indicam tratamentos para que essas necessidades sejam supridas. No caso da soroterapia, o que muda é que o soro é aplicado diretamente na veia, o que pode garantir uma absorção mais rápida.

VEJA TAMBÉM:

Ozonioterapia e seus benefícios

O setor de biotecnologia está em ascensão

Bioestimulação com colágeno: o procedimento está virando uma tendência

Disfunções cognitivas podem ser comuns em pacientes que tiveram COVID-19

Quando ingerimos essas substâncias de forma oral, é comum que nosso corpo não as absorva completamente. Portanto, a inovação na soroterapia é justamente sua forma de aplicação e a garantia de que o corpo irá absorver todos os componentes de forma mais satisfatória.
 

Os soros são indicados de acordo com as necessidades de cada paciente. Antes dessa prescrição, o paciente passa por uma bateria de exames para que o especialista entenda quais são as substâncias que precisam ser repostas em seu organismo.
 

Assim como a prescrição das substâncias que devem ser aplicadas, há também formas diferentes de aplicação para cada tipo de líquido. Por exemplo, a vitamina D é aplicada de forma intramuscular, na região das nádegas, pois é dessa forma que o corpo irá absorver essa vitamina de forma mais adequada e completa.
 

A soroterapia pode ser utilizada em quais situações?
 

●    No tratamento de depressão e ansiedade.
●    Aumento de massa muscular.
●    Auxilia no processo de emagrecimento por meio da injeção de substâncias que aceleram o metabolismo.
●    Pode ajudar no fortalecimento de cabelos e unhas.
●    Alguns soros têm a função detox, para eliminar as impurezas do organismo.

A soroterapia precisa ser indicada e feita por uma equipe médica, em um ambiente hospitalar e seguro. Por se tratar de uma aplicação invasiva, os riscos de contaminação e infecção são consideráveis. Portanto, é preciso que o paciente tenha em mente que o melhor a se fazer é procurar ajuda médica confiável.

 

Aqui no Brasil, é necessário que o tratamento seja indicado por um profissional da área médica, que tenha o registro regularizado no Conselho Regional de Medicina (CRM). Portanto, esse tipo de tratamento pode ser prescrito por nutrólogos, dermatologistas, clínicos gerais ou endocrinologistas.
 

Conheça os cursos de pós-graduação na área da saúde: https://bit.ly/3unvfbE