A importância do psicopedagogo no auxílio às crianças com dificuldade de aprendizagem

A importância do psicopedagogo no auxílio às crianças com dificuldade de aprendizagem

image

O que é dificuldade de aprendizagem? É comum que alunos tenham mais facilidade em algumas disciplinas e mais dificuldade em outras. Muitos fatores colaboram para que um aluno tenha dificuldade com uma disciplina específica.
 
No caso da Matemática, por exemplo, a fama a precede, e muitos alunos já chegam assustados e/ou bloqueados para o ensino da matemática. Mas não é disso que falamos quando usamos a expressão dificuldade de aprendizagem.
 
Leia também:
 
 
 
 
 
 
A dificuldade de aprendizagem é uma limitação que afeta a aprendizagem em geral. Não é só dificuldade de aprender,  mas “um conjunto de condições que prejudicam não só o aprendizado, mas também afetam o desenvolvimento cognitivo, acadêmico, laboral e até mesmo interpessoal”, diz o Dr. Rui Brandão, médico especializado em saúde emocional e desenvolvimento pessoal.
 
A dificuldade de aprendizagem é uma condição que costuma aparecer na infância e que afeta a capacidade de atenção, compreensão e comportamento de quem sofre. Em alguns casos, é necessário acompanhamento de um profissional. Normalmente o estudante apresenta sintomas relacionados a problemas de atenção, ansiedade ou até mesmo inquietação.
 
A pedagoga Jussara de Barros diz que “a dificuldade de aprendizagem mais conhecida e que vem tendo grande repercussão na atualidade é a dislexia, porém, é necessário estarmos atentos a outros sérios problemas: disgrafia, discalculia, dislalia, disortografia e TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade).
 
 
 
Como a Psicopedagogia pode ajudar um aluno que tem transtorno de aprendizagem?
 
A pedagoga Maria Jailma Vieira de Freitas diz que “o psicopedagogo é aquele profissional capaz de procurar compreender e fazer a intervenção com a criança ou adolescente em seus aspectos cognitivos referentes aos problemas de aprendizagem”.
 
A dificuldade de aprendizagem pode ter causas diversas que podem ser tanto por déficits cognitivos como por causas emocionais e culturais.
 
Na maioria das vezes, a intervenção escolar por meio do psicopedagogo é suficiente para superar o problema. Há dificuldades que demandam a colaboração de outros profissionais, como o psicólogo; em outras, mudanças pontuais podem resolver a questão (troca de metodologia, eliminação do bullying, troca de turma etc.).
 
No artigo O papel do psicopedagogo frente às dificuldades de aprendizagem de leitura e escrita, Maria Jailma Vieira de Freitas observa que a Psicopedagogia Clínica tem como objetivo:
  • reintegrar o aluno que apresenta dificuldades de aprendizagem no processo de reelaboração do conhecimento;
  • fazer as opções interventivas que melhor se adaptam às necessidades do aluno, visto que cada pessoa tem necessidades específicas e particulares.
Por sua vez, a Psicopedagogia Institucional tem como objetivo:
  • desenvolver projetos pedagógico-educacionais, enriquecendo os procedimentos em sala de aula, as avaliações e os planejamentos na educação sistemática e assistemática;
  • ser parceira da coordenação, da direção e dos professores, desenvolvendo um trabalho pertinente às relações professor-aluno e redefinindo os procedimentos pedagógicos, buscando integrar os aspectos afetivo e cognitivo.
Enfim, pode-se dizer que o trabalho psicopedagógico atua não só no interior do aluno ao sensibilizá-lo para a construção do conhecimento, mas requer também uma transformação interna por parte do professor, no sentido de desenvolver no aluno a autopercepção a percepção do mundo e a percepção do outro.
 
Se você se interessa pelo assunto e quer se preparar para fazer a diferença nesse contexto, conheça a pós-graduação em Psicopedagogia Institucional e Clínica da Universidade Municipal de São Caetano do Sul.