Resolução autoriza uso da eletroterapia por fonoaudiólogos


Postado em 13/08/2019



No último dia 20 de março, o Conselho Federal de Fonoaudiologia (CFFa) publicou no Diário Oficial a Resolução nº 541, que regulamenta o uso de laser de baixa intensidade pelos fonoaudiólogos. A laserterapia poderá ser usada apenas para fins fonoaudiológicos.  

A resolução foi aprovada na 164ª Sessão Plenária Ordinária do CFFa, em 23 de fevereiro de 2019. A eletroterapia poderá ser usada em casos relacionados à motricidade orofacial, disfagia e voz. Agora que o uso da eletroterapia está regulamentado, isso facilitará a fiscalização e a punição, caso haja alguma imprudência. Vale lembrar que a técnica deverá ser usada por profissionais que sejam habilitados para isso.

A eletroestimulação é utilizada por fonoaudiólogos como recurso terapêutico em que se utilizam correntes elétricas padronizadas, e isso pode facilitar as informações sensoriais. Na fonoaudiologia, a eletroterapia implica a colocação de eletrodos na pele, localizados sobre a musculatura orofacial.

Em sessões de fonoaudiologia, o uso da eletroterapia auxilia no tratamento dos distúrbios da deglutição, da voz, da motricidade orofacial e das praxias orais. Essa técnica poderá ajudar as pessoas que têm dificuldades na movimentação  desses músculos e até proporcionar ganho funcional.

 

VEJA TAMBÉM:

Fonoaudiologia como auxílio no tratamento de crianças com Síndrome de Down

A fonoaudiologia no combate da recusa alimentar das crianças

Teste da linguinha pode ajudar no diagnóstico de problemas na mastigação

Em geral, o tratamento com eletroterapia é indicado para pacientes com paralisia facial, dificuldades de deglutição, alterações ou enfraquecimento da voz e da motricidade orofacial, nas disfunções temporomandibulares. Adultos e crianças podem passar por esse tipo de tratamento. As correntes elétricas podem agir de diferentes formas: diminuem as dores e as contrações musculares, melhoram o fluxo circulatório local e promovem o relaxamento ou a tonificação muscular.
 

A coordenadora do nosso curso de Pós-Graduação em Motricidade Orofacial, Janieny Vieira da Silva, destacou a importância desse grande avanço para os fonoaudiólogos: “A importância dessa resolução é que a eletroestimulação é reconhecida como recurso terapêutico no tratamento de diversos distúrbios miofuncionais na fonoaudiologia”.
 

Leia a resolução completa em: https://bit.ly/2GqP4I1

 

0800 767 8727
(11) 94548-3386




Outros Links