O que fazer para lidar com pensamentos e ideações suicidas ou combatê-los?

O que fazer para lidar com pensamentos e ideações suicidas ou combatê-los?

image

Todos nós passamos por momentos difíceis na vida e, durante esse período, podemos desenvolver uma série de doenças mentais, como depressão e ansiedade. Entre os problemas mentais que podem ser enfrentados, está a ideação e o pensamento suicida. O problema preocupa as autoridades do mundo inteiro, pois se acredita que, a cada cinco pessoas, uma já teve pensamentos suicidas.
 

Os problemas emocionais têm se tornado pauta comum na vida das pessoas, e, claro, a saúde mental, notícia nos meios de comunicação. Nunca na História falamos tanto sobre o assunto; vivemos um momento particularmente importante de conscientização e de acolhimento de pessoas que sofrem com as mais diversas doenças mentais.

VEJA TAMBÉM:

Arteterapia: a criatividade usada para tratar doenças

Quais são os benefícios da Constelação Familiar para a saúde?

Meditação: uma ferramenta para a manutenção da saúde mental

O impacto da pandemia na saúde mental, física e financeira da população mundial

Psicólogos, psiquiatras e profissionais da Saúde em geral têm um papel importantíssimo para a manutenção da saúde emocional dos indivíduos que estão passando por um quadro de sofrimento emocional. Diante desse cenário, é importante que as pessoas se unam para acolher, aconselhar e ajudar aqueles que estão passando por um momento delicado, que pode ser o motivo principal para o desenvolvimento de uma doença mental.
 

Tratando-se de um tabu na sociedade, pouco se discute sobre a ideação e o pensamento suicida, por isso, é um ponto que precisamos trazer à luz. Portanto, é importante ressaltar que a conscientização salva vidas e pode ajudar a melhorar a saúde mental ou, pelo menos, ajudar no encaminhamento de indivíduos em sofrimento emocional para o tratamento adequado.
 

Dessa forma, é preciso entender o que podemos fazer pelo outro ou por nós mesmos em um caso de ideações e pensamentos suicidas. Veja algumas dicas:
 

•    Não se esconda. Fale de seus sentimentos com uma pessoa de confiança e revele a sua dor para ela. Compartilhar isso pode ajudar a diminuir o peso e a melhorar a sua perspectiva sobre a fase problemática pela qual está passando.
•    Quando os pensamentos suicidas vierem à tona, busque a companhia de alguém; pode ser um familiar, um terapeuta ou um amigo. É importante não ficar sozinho e conseguir contar com o apoio de alguém.
•    Lembre-se sempre de que pensamentos ruins são passageiros, assim como fases problemáticas. Entender que isso tudo vai passar é o primeiro passo para enfrentar os pensamentos suicidas.
•    Você ou um amigo seu está em crise neste momento? Procure ajuda no Centro de Valorização da Vida (CVV). Trata-se de uma entidade cujo objetivo é dar suporte emocional para quem está enfrentando pensamentos suicidas e, dessa forma, prevenir o suicídio. É uma solução excelente para uma pessoa que não tem a quem recorrer em relação ao que se passa em sua cabeça e quer conversar com alguém que possa lhe oferecer um acolhimento.
•    Não abuse de drogas e de álcool para resolver seus problemas emocionais. Essa impulsividade não resolverá o problema e pode piorar a situação. O melhor a se fazer para enfrentar esse tipo de situação é manter-se sóbrio e atento aos seus sentimentos e às suas emoções.
•    Sinta-se seguro em procurar ou em indicar ajuda profissional para lidar com a ideação e o pensamento suicida. Psicólogos e psiquiatras são essenciais para o tratamento de pessoas que estão em sofrimento emocional e precisam de ajuda para superar pensamentos autodestrutivos.

Pós-graduação em Suicidologia: prevenção e posvenção, processos autodestrutivos e luto

 

Os temas dos processos autodestrutivos, da automutilação, do adoecimento autoimune, da morte, do suicídio e do luto ainda são tabus, sobretudo em instituições que se destinam a formar profissionais da Saúde e da Educação. Apesar do estigma, constatamos que o assunto está cada vez mais presente na vida, seja pela experiência direta, seja pelo significativo aumento de casos de homicídios, de suicídios, de atos de violência e de autoagressão, principalmente em jovens brasileiros.
 

O presente curso teve sua concepção baseada na crença de que as instituições formadoras de profissionais da Saúde e da Educação devem investir na discussão ética e bioética, bem como no aperfeiçoamento de profissionais para a elaboração de estratégias e de ações coletivas para valorização da vida, do bem-estar biopsicossocial, da prevenção dos processos autodestrutivos e do acolhimento no processo de luto.

Saiba mais informações sobre a pós-graduação em Suicidologia: prevenção e posvenção, processos autodestrutivos e luto:  http://bit.ly/38zZTns