O número de suicídios durante a pandemia

O número de suicídios durante a pandemia

image

De repente, no mês de março de 2020, todos foram pegos de surpresa tendo que começar imediatamente o distanciamento social. Naquele ponto, já sabíamos o estado em que a pandemia do novo coronavírus estava em outros países, e temíamos que o mesmo pudesse acontecer no Brasil. No auge do isolamento, era esperado o aumento do número de suicídios, e, em São Paulo, os atendimentos feitos pelos socorristas do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) constataram o crescimento do número de casos, afirmou o diretor médico do SAMU ao colunista Leonardo Sakamoto do portal UOL.
 

Suicídio na quarentena
 

A incerteza e a insegurança que a situação provocada pelo novo coronavírus trouxe a todos atingiram algumas pessoas de forma desastrosa. O medo e o estresse intercalados com momentos depressivos podem ter sido os responsáveis por inúmeros casos de suicídio. O cenário, infelizmente, favoreceu o aumento do risco de casos, já que todos tiveram mudanças drásticas em sua rotina.

VEJA TAMBÉM:

Cultivar uma mente saudável pode ajudar a preparar os atletas durante o distanciamento social

Compulsão alimentar durante a quarentena

O Farmacêutico Hospitalar está na linha de frente do combate à epidemia do coronavírus

A pandemia no comércio exterior

Suicídio e coronavírus
 

A pandemia do coronavírus trouxe a todos uma série de sentimentos e sensações, e cada um lidou de uma forma com tudo isso. Há fatores que talvez possam ter sido decisivos para o aumento de casos de morte por suicídio, entre eles:
 

•    O estresse e a incerteza econômica causados por um cenário inseguro e desestabilizado por conta da pandemia geraram uma série de demissões e escassez de trabalho.
•    A solidão e a desconexão social geram diferentes sentimentos em cada um, podendo agravar quadros de depressão e ansiedade, entre outros problemas.
•    Pessoas que estavam passando por tratamento psicológico passaram a ter dificuldades de dar continuidade aos atendimentos, isso pode ser um dos fatores causadores de medo e desequilíbrio emocional.
•    As pessoas tiveram que lidar com medo e ansiedade constantes nesse período, e o risco iminente de contrair o vírus pode deixar as pessoas com uma sensação completa de desamparo e descontrole.
•    A incerteza do que poderá acontecer no futuro ou como o mundo ficará depois de tudo isso.

 

O papel dos profissionais diante de um cenário pandêmico
 

Os profissionais que trabalham com questões da saúde mental da sociedade precisam estar preparados para acolher essas pessoas. É um momento delicado, e muitos estão carentes por atenção e cuidado. Aos poucos, tudo está voltando ao normal, mas isso não significa que aqueles que estiveram em sofrimento emocional se recuperarão disso tudo da noite para o dia; por isso, é preciso montar um suporte de apoio à saúde mental.
 

A pandemia deixou marcas em todo mundo; a tensão esteve presente em nossas vidas por um longo período. Talvez, o aumento no número de suicídios durante a pandemia seja um alerta geral para todos prestarem atenção à fragilidade da saúde emocional humana. Os profissionais que darão o suporte para as pessoas precisam estar preparados e munidos de conhecimento e técnicas para auxiliar a todos de forma adequada.
 

O curso de Pós-graduação em Suicidologia: Prevenção e Posvenção, Processos Autodestrutivos e Luto, da Pós USCS, aborda temas acerca dos processos autodestrutivos, automutilação, adoecimento autoimune, morte, suicídio e luto.
Trata-se de um curso que teve sua concepção baseada na crença de que as instituições formadoras de profissionais da saúde e da educação devem investir na discussão ética e bioética, bem como no aperfeiçoamento de profissionais para a elaboração de estratégias e ações coletivas para valorização da vida, bem-estar biopsicossocial, prevenção dos processos autodestrutivos e acolhimento ao processo de luto.

 

A Pós em Suicidologia da USCS tem o objetivo de desenvolver a compreensão dos comportamentos autodestrutivos, do processo de luto e auxiliar na promoção das ações para valorização da vida. Busca desenvolver profissionais capazes de propor ações para a prevenção tanto dos comportamentos autodestrutivos quanto dos suicídios, bem como oferecer instrumentalização para o acolhimento do processo de luto e para a valorização da vida.
 

Saiba mais sobre o curso em: http://bit.ly/38zZTns
 

Fonte:https://noticias.uol.com.br/colunas/leonardo-sakamoto/2020/05/31/atendimento-de-urgencia-relacionado-a-suicidio-cresce-durante-a-pandemia.htm