Como a fonoaudiologia pode ajudar a criança autista a se comunicar melhor?


Postado em 03/01/2020



A comunicação, verbal ou não, da criança autista é extremamente afetada devido às suas condições, principalmente no relacionamento com outras pessoas. Por isso, é preciso um acompanhamento mais enfático desde a infância, para que as relações sociais da criança não sejam afetadas e possam ser construídas de maneira mais saudável.
 

O fonoaudiólogo tem uma missão importante, porém sua atuação ocorre em meio a uma equipe multidisciplinar que acompanha o desenvolvimento da criança autista. Isso proporciona uma efetividade no tratamento durante seu crescimento.

VEJA TAMBÉM:

Fonoaudiologia ajuda bebês prematuros a ser amamentados

Língua presa: se não diagnosticado e tratado pode causar problemas na vida da criança

Alterações na voz pode indicar doenças

Teste da linguinha pode ajudar no diagnóstico de problemas na mastigação

O papel do fonoaudiólogo
 

O trabalho do fonoaudiólogo é essencial para diagnosticar e tratar problemas na fala e na linguagem. Além disso, é preciso despertar na criança um interesse pela comunicação, tanto verbal como gestual. Ao identificar a dificuldade de fala, o profissional irá intermediar o tratamento por meio da estimulação verbal.
 

Estima-se que 25% das crianças autistas sejam não vocais, ou seja, não falam. Neste caso, é possível utilizar outras técnicas de comunicação, buscando os mais diversos artifícios, como figuras, por exemplo.

PECS®
 

Desenvolvido nos Estados Unidos em 1985, por Andy Bondy e Lori Frost, o PECS® é um sistema alternativo de comunicação. Seu objetivo é ensinar a comunicação funcional para crianças autistas. Há indícios de casos em que foi possível o desenvolvimento da fala. Por meio de placas com figuras, a criança pode se comunicar com as outras pessoas, seja em seu ambiente familiar ou escolar.
 

Gradativamente, a criança autista é ensinada sobre como usar as figuras para se comunicar, a trocar com o parceiro de comunicação, a formular frases por meio das plaquinhas e a responder e fazer comentários.
A introdução da técnica precisa ser orientada por um profissional habilitado da área de fonoaudiologia, pois é preciso fazer avaliações para entender como será todo o processo, inclusive o momento certo de parar de utilizar o método. O sistema não causa dependência, porém trabalhos paralelos precisam ser propostos para que a criança se desenvolva em todos os aspectos da comunicação.

 

Conheça a nossa Pós-Graduação em Linguagem: https://bit.ly/2WYpijG
FONTE: https://novaescola.org.br/conteudo/18118/autismo-como-desenvolver-a-comunicacao-e-relacao-com-o-outro


 

0800 767 8727
(11) 94548-3386




Outros Links