A história da ventilação não invasiva com pressão positiva (VNIPP)

A história da ventilação não invasiva com pressão positiva (VNIPP)

image

O Dr. Alvan Barach é um médico norte-americano que é pioneiro na terapia respiratória e desenvolvedor da primeira tenda prática de oxigênio. Ele foi o responsável por realizar a aplicação de pressão positiva de forma não invasiva.  Em 1937, o Dr. Barach constatou que a pressão positiva contínua em vias aéreas (CPAP), que é fornecida através de uma máscara facial, poderia ser útil no tratamento de doenças como o edema agudo pulmonar.
 

Porém, outras técnicas respiratórias começaram a se popularizar a partir da década de 1960. A cânula traqueal foi um dos métodos amplamente aceitos. O mecanismo era utilizado no fornecimento de respiração mecânica para o paciente diagnosticado com insuficiência ventilatória aguda.
 

Já no final da década de 1970, as técnicas de ventilação mais populares eram aplicadas através de máscara facial ou nasal, amplamente introduzidas na prática clínica. Para o tratamento de pacientes com doenças neuromusculares e com doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), era utilizada a técnica de ventilação com pressão positiva intermitente (VPPPI), com o intuito de deixar os músculos ventilatórios em repouso.
 

Nos anos 1980, a aplicação da VNIPP teve um aumento significativo através de máscaras faciais e nasais e de prongas nasais, entre outros equipamentos. Desde então, o tratamento é utilizado em quadros de infecção respiratória, complicação de doenças crônicas, após extubação etc.

VEJA TAMBÉM:

A importância do atendimento fisioterapêutico nos primeiros dias de vida do recém-nascido

DF aprova nova lei que permitirá acompanhante para os internados na UTI

Qual é o papel do fisioterapeuta em uma emergência?

A ventilação mecânica é amplamente discutida em nosso curso de especialização em Ventilação Mecânica em Neonatologia e Pediatria. O curso inclui os aspectos atuais de ventilação mecânica em neonatologia e pediatria, com aplicabilidade em ambiente hospitalar, domiciliar e no transporte intra-hospitalar, extra-hospitalar e aéreo. Estes são ambientes que exigem cada vez mais do médico e do fisioterapeuta um olhar científico, prático e administrativo, visando à segurança do profissional e do paciente, assim como à sustentabilidade dos cuidados das vias aéreas e do suporte ventilatório nos sistemas institucional e universal em que o profissional e o paciente/família estão inseridos.
 

Para mais informações sobre essa especialização, acesse: http://bit.ly/2PuyV7R
Fonte: https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/2015/02/CONSENSO-VENTILACAO-PULMONAR-MECANICA-EM-PEDIATRIA-VNIPP.pdf